Treinamento:

Após receber treinamento do Sesi, ministrado durante a manhã desta sexta-feira (28/04), em parceria com a Biosul, representantes das indústrias canavieiras de Mato Grosso do Sul estão formalmente habilitados como multiplicadores de ações periódicas de sensibilização para que os funcionários sejam capazes de identificar situações que revelem indícios de abuso sexual de crianças e adolescentes e assédio moral, além de instruções para preveni-las e denuncia-las. 
 
O treinamento, com carga horária de 4 horas, foi realizado nas dependências da Biosul pelo gestor de Educação Continuada do Sesi, Luciano Ferraz Servantes. “Neste treinamento de 4 horas é feito um alinhamento sobre como será feita a sensibilização dentro da empresa, como estabelecer um cronograma para atender à legislação. Para se tornar um multiplicador, há um processo muito mais amplo e detalhado, porque é pré-requisito cumprir uma carga horária de 50 horas do curso à distância”, explicou
 
Ele acrescenta que o treinamento integra o trabalho de responsabilidade sócio empresarial do Sesi, acima de tudo, se utilizando da figura do multiplicador, uma forma de otimizar a ação, para que a produção da empresa não seja prejudica paralisada em sua totalidade. O treinamento atende à Lei Estadual nº 4.970, de 29/12/2016, que trata do combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes por pessoas jurídicas.
 
Em razão da nova legislação, a Biosul fez convite para que todas as indústrias sucroenergéticas do Estado participassem do treinamento. “O resultado foi muito positivo. Presenciamos uma participação maciça das empresas, que agora, atuarão em conformidade com a legislação do Estado e estarão preparadas para uma eventual fiscalização da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, que é a responsável por constatar o cumprimento da lei, sob pena de sanções”, destacou o gerente-executivo da Biosul, Paulo Aurélio Arruda de Vasconcelos.
 
O curso de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, ao Assédio Sexual e Moral e à Cultura do Estupro integra o portfólio de cursos EAD do Sesi desde 2011, antes mesmo de a disseminação do tornar-se obrigatória por lei no Estado. Os participantes recebem certificados, o que também vai ao encontro do que estabelece a lei, que determina que o planejamento das ações de sensibilização nas indústrias deve ser elaborado por profissionais devidamente habilitados por instituições que tenham experiência no desenvolvimento das temáticas.