Soja:

Os principais nomes da fitopatologia do Brasil estiveram reunidos nos dias 3 e 4 de abril, em Campinas-SP, para discutir o momento atual da soja no país. Segundo os pesquisadores, a safra 2016/2017 apresenta 33,7 milhões/ha de área cultivada, o que significa dizer que o cultivo vem apresentando resultados positivos para a agricultura brasileira.
 
O Eagle Team, grupo de pesquisadores formado pela UPL, trabalha intensamente com pesquisas na área de fitopatologia na soja em todas as regiões importantes para a cultura no Brasil. Neste evento foram analisadas as consequências do aumento da resistência na busca de alternativas técnicas que possam ser utilizadas para controle de doenças e manejo de resistência para também promover a conscientização dos produtores sobre a prevenção de doenças no campo, proporcionando o debate sobre a situação da ferrugem asiática em cada região do país, programas de aplicação e o compartilhamento de experiências para que o problema, presente no cultivo da soja, possa ser resolvido e os produtores brasileiros não sejam tão impactados na produtividade.
 
“Os problemas de manejo são determinantes para a produção. No Cerrado, onde atuamos, percebemos um uso frequente de uma mesma molécula, quando na verdade deve ser inserido no manejo um produto protetor multissítio que atue de forma dinâmica no problema, assim o lucro do produtor não será comprometido”, afirma Paulo Bettini, pesquisador do Eagle Team.
 
Além dos fitopatologistas, o encontro contou também com a presença de Cláudia Godoy, pesquisadora da Embrapa Soja e Dado Schneider, Doutor em comunicação e palestrante.
 
??Entre os assuntos mais relevantes para o grupo, está a procura de soluções para que o manejo de resistência da soja seja mais eficiente, uma vez que um novo grupo químico utilizado para o controle da ferrugem asiática – as carboxamidas ou SDHIs – foi vencido pela ferrugem, segundo dados do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).
 
“Os fungicidas multissítios, tecnologia trazida pela UPL para as grandes culturas, são de extrema importância para o momento. Devido suas características e formas de ação diferenciadas proporcionam o controle de doenças, promovendo o manejo de resistência. O que contribui para a proteção da lavoura e incremento de produtividade, beneficiando os produtores”, explica Marcelo Figueira, gerente de fungicidas da UPL.
 
Para Carlos Pellicer, presidente da UPL no Brasil, o encontro do Eagle Team proporciona ganhos para toda a agricultura nacional. “Discutimos inovações e fortalecemos os elos estabelecidos pelo grupo, afinal, o objetivo é o mesmo: busca por melhores tecnologias e resultados, com conhecimento, compromisso e referências”, conclui o presidente da UPL.