Ribeirão Preto:

A cidade de Ribeirão Preto recebe hoje (14), a conferência Abertura de Safra de Cana – 2018/19, o principal evento do setor que reunirá empresários e executivos de usinas, produtores e fornecedores de cana e lideranças políticas para debater desafios e apresentar análises inovadoras para a atual safra de cana. O presidente da República, Michel Temer, confirmou sua presença, e o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, também é convidado para o evento.
 
O evento, que será realizado pelo banco Santander, em parceria com a DATAGRO Consultoria, trará uma análise da expectativa da safra 2018/19; debates sobre os fundamentos do mercado mundial; novas tecnologias; financiamentos e serviços; regulamentação do RenovaBio; e o papel do etanol e dos biocombustíveis para o desenvolvimento, energia e meio ambiente.
 
Dados da DATAGRO consultoria indicam que a produção da commodity deve recuar no Centro-Sul e o processamento de cana deve totalizar 580 milhões de toneladas.
 
Para a próxima temporada, a DATAGRO espera uma safra mais alcooleira no Centro-Sul, com a previsão de produção de 25,3 bilhões de litros de etanol, ao passo que a produção de açúcar deve passar das 36,4 milhões de toneladas previstas em 2017/18, para 32,6 milhões esperadas pela DATAGRO na safra 2018/19.
 
O evento contará com a presença de André Rocha, Presidente do Fórum Nacional Sucroenergético; Fernando Bezerra Coelho Filho, Ministro de Minas e Energia; Márcio Félix Bezerra, Secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia; Marcos Rossi Martins, Chefe do Departamento BNDES; Plinio Mario Nastari, Presidente da DATAGRO Consultoria, Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil e o Prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira. Em sua última edição, o evento reuniu mais de 15 palestrantes e aproximadamente 400 participantes.
 
De acordo com o Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, o setor sucroalcooleiro precisa constantemente discutir seus desafios a fim de encontrar soluções inovadoras para aumentar sua produção. “O Brasil já é o maior player global de açúcar e líder em exportação da commodity. É, também, um dos principais consumidores de etanol e, com o RenovaBio, a tendência é favorável para o aumento do consumo do biocombustível no Brasil. Nós, como Banco, temos o papel apoiar financeiramente o setor para que ele siga como um dos motores do agronegócio no País”, afirma o executivo.
 
O Santander, desde 2016, vem reforçando a sua presença no Agronegócio. A oferta total de crédito ao setor do Banco avançou 42% em 2017, para R$ 13 bilhões. A conta inclui recursos obrigatórios, livres, Funcafé, BNDES, LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) e CPRs (Cédulas do Produto Rural).
 
Os empréstimos para o produtor rural pessoa física avançaram 52,9%, para R$ 5,239 bilhões. Já para as empresas do setor foram destinados R$ 6,32 bilhões em linhas de crédito, um avanço de 14,3%. “Criamos uma completa oferta de valor para o produtor encontre tudo o que ele precisa para que o Santander seja o banco dele”, ressalta Rial.
 
“É um evento que já se tornou referência no calendário do setor sucroenergético por apresentar tendências do mercado brasileiro e internacional, e também dada a sua importância e representatividade no PIB brasileiro”, diz José Zanni, Líder da Prática de Agronegócio da Marsh e um dos palestrantes da Abertura de Safra de Cana – 2018/19.O executivo da Marsh será um dos palestrantes no painel “Equipamentos Agrícolas: Cenário Atual, Riscos e Desafios”. 
 
Segundo ele, com o advento da mecanização e proibição de queimadas, a utilização de equipamentos como as colhedoras de cana, passou a ser fundamental e consequentemente o aumento na transferência desse risco para o mercado segurador, uma vez que os custos de reposição se tornaram relevantes. Com o decorrer do tempo agravaram-se as condições de contratação do seguro para esses equipamentos por conta do aumento da frequência de sinistros.
 
“A operação no agronegócio é complexa e há uma diversidade de imprevisibilidades operacionais na indústria e equipamentos, preço, risco financeiro, políticas regulatórias”, afirma.
 
“Atualmente, muitas empresas do setor sucroenergetico estão enfrentando algum tipo de dificuldade, seja na contratação de seguros, ou mesmo na regulação de sinistros. O mercado segurador, que já acompanha a evolução e modernização do setor, ajuda as empresas a transferir os seus riscos garantindo o equilíbrio financeiro”, complementa Zanni.
 
A Marsh possui mais de 7 mil equipamentos segurados e conta com uma equipe de profissionais especializadas na identificação de soluções em seguros e gerenciamento de risco para os equipamentos.
 
Inscrições e Programação do evento
 
Data: 14 de março de 2018
Local: Espaço Golf, Ribeirão Preto
Horário: 9h00 às 19h00