PetroRio compra dois campos da BP por US$ 100 MI e ingressa no pré-sal.

Companhia vai interligar novo campo de Wahoo com o de Frade, criando polo produtor; projeto demandará investimentos de cerca de US$ 800 milhões

 

 

A PetroRio, uma das maiores companhias independentes de óleo e gás do país, fechou contrato com a britânica BP para a aquisição das participações de 35,7% do Campo de Wahoo (Bloco BM-C-30) e de 60% no Campo de Itaipu (Bloco BM-C-32). O negócio marca a entrada da PetroRio como operadora do pré-sal e abre caminho para criar um novo polo produtor integrado junto com o Campo de Frade, importantes passos na trajetória de crescimento da companhia.

 

 

A transação, sujeita a aprovações regulatórias e outras condições precedentes usuais, prevê o pagamento de uma parcela fixa de US﹩ 100 milhões à BP. O desembolso desse montante será escalonado e dividido em 5 etapas – US﹩ 17,5 milhões divididos entre a assinatura do acordoe a conclusão da transação (closing); US﹩ 15 milhões em dezembro de 2021, com o remanescente a ser pago em 2022.

 

 

Há ainda a previsão de um pagamento adicional de US﹩ 40 milhões, condicionado à unitização ou ao primeiro óleo (início da produção) do campo de Itaipu.

 

 

“A nossa companhia reafirma seu comprometimento com a manutenção de níveis de endividamento conservadores. Mesmo após a incorporação desta importante aquisição, o indicador de dívida líquida/EBITDA continuará dentro de faixas normais e aceitáveis”, destacou o CEO da PetroRio, Roberto Monteiro, reforçando a disciplina financeira habitual da empresa.

 

 

Novo cluster de produção

 

 

Com o desenvolvimento do campo de Wahoo, a PetroRio formará mais um cluster privado de produção, ao compartilhar toda a infraestrutura com o Campo de Frade, inclusive o FPSO. A estratégia possibilitará relevantes sinergias, com a previsão de uma forte e sustentável redução de lifting cost (custo de extração), sempre mantendo os mais altos padrões de segurança e eficiência – premissas básicas da atuação da PetroRio.

 

 

Wahoo tem potencial para produzir mais de 140 milhões de barris (100% do campo). A descoberta foi realizada em 2008 e se encaixa perfeitamente na estratégia de geração de valor da empresa.

 

 

O campo se situa entre 30 e 35 kms ao norte do campo de Frade, com lâmina d’água de 1.400 metros. Wahoo conta com reservatório carbonático na camada do pré-sal a uma profundidade de 5 mil a 7 mil metros. O óleo no campo é de excelente qualidade, com 30º API, baixa viscosidade. Já o gás associado de Wahoo será utilizado na geração de energia para o FPSO de Frade.

 

 

Itaipu, por sua vez, teve descoberta em 2009, com 3 poços piloto perfurados. O campo se encontra próximo ao cluster Parque das Baleias. Existem estudos preliminares indicando que a acumulação é potencialmente compartilhada com a região sudeste desse polo produto. Deste modo, o desenvolvimento desta área poderá passar por um processo de unitização.

 

 

Projeto de Interligação

 

 

Durante a avaliação da oportunidade de investimento, a PetroRio verificou a possibilidade de interligação de Wahoo com Frade, projeto que demandará cerca de US﹩ 800 milhões. “A companhia concebeu, então, um novo projeto de desenvolvimento contando com a infraestrutura já existente, completamente alinhado à nossa estratégia de geração de valor e busca de sinergias”, ressaltou Monteiro.

 

 

O projeto base de interligação de Wahoo prevê a perfuração de quatro poços produtores, dois poços injetores e a instalação de equipamentos submarinos para o escoamento do óleo produzido e da água injetada e interligação com o FPSO de Frade. Nesse projeto base, o investimento previsto está dividido em US﹩ 300 milhões para o tieback (interligação), US﹩ 360 milhões para a perfuração dos poços, US﹩ 100 milhões para equipamentos submarinos e US﹩ 40 milhões para ajustes no FPSO de Frade e outros itens.

 

 

A PetroRio estima, inicialmente, que a produtividade média inicial de Wahoo seja acima de 10.000 barris/dia por poço. Isso significa que a produção poderá superar os 40.000 barris por dia em Wahoo, baseado nos resultados do teste de formação (TFR) realizado em poço exploratório já finalizado.

 

 

As estimativas podem ser alteradas com a obtenção de mais informações, como dados sísmicos e mapeamento mais detalhado do reservatório.

 

 

Foto divulgação: O petróleo