Investimento:

O ano de 2017 é de boas perspectivas de investimento e oportunidades para a agropecuária de Mato Grosso do Sul. A previsão do orçamento é de R$ 1,1 bilhão para o FCO – Fundo Constitucional para Financiamento do Centro Oeste, para o setor rural no estado. Em 2016 foi contratado R$ 748 milhões, cerca de 40% a menos do que o valor disponível para este ano. A notícia foi divulgada pela Superintendência Regional do Banco do Brasil, na última quinta-feira (02) e avaliada como positiva pelo setor produtivo. Somado o FCO Empresarial e Rural o valor total é de R$ 2,2 bilhões. 
Após uma análise do cenário macroeconômico, o presidente do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Mauricio Saito, falou do perfil do produtor rural e do apoio das instituições financeiras nos negócios rurais do Estado. “É no momento de dificuldade que o produtor rural demonstra a sua capacidade empreendedora. E o banco, em contrapartida, fomenta e estimula o desenvolvimento do agro. Não é por acaso que Mato Grosso do Sul é referência nacional em produção e produtividade”, ressaltou
A linha de crédito rural financia a aquisição de materiais e equipamentos de uso destinados à armazenagem, barragens, obras civis, máquinas, implementos, energia, irrigação, entre outras atividades para produtores rurais (pessoas físicas e jurídicas), cooperativas e associações.
Para o superintendente regional do Banco do Brasil, Glaucio Zanetti, o cenário positivo projetado para o ano safra será oportuno para novos investimentos. “Será uma boa temporada para o setor, com perspectiva de inflação controlada. A conjuntura será atrativa para ampliar a produção no Estado”, afirmou Zanetti.
O prazo de quitação do débito é de até 20 anos, com 12 anos de carência, para o início do pagamento da dívida. A taxa média anual é de 8,5%.