Embrapa Agroenergia:

Há quase um ano, as pesquisas da Embrapa Agroenergia visando tolerância à seca ganharam um incremento. A utilização de um drone no qual se embarca uma câmera termográfica que potencializa a avaliação de plantas, em termos de velocidade e área.
Com as imagens captadas das folhas das plantas é possível identificar as partes mais afetadas pelo calor, explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Carlos Sousa. Nesta lógica, salienta Sousa, foi adquirido o drone para avaliar a priori experimentos com cana-de-açúcar visando tolerância à seca, utilizando a técnica da fenotipagem. 
Com o drone já foram avaliados experimentos em unidades demonstrativas da cultura nos estados de Goiás e São Paulo. Com esta tecnologia conseguiu-se ampliar a área avaliada. “Antes conseguíamos registrar imagem de planta por planta. Utilizando o drone, agora é possível analisar várias plantas ao mesmo tempo utilizando a técnica já em campo”, conta o pesquisador.  Esta ação faz parte do projeto “Desenvolvimento de ferramentas biotecnológicas para aumento de biomassa e produção de etanol 2G – BRPRO2G”, coordenado pelo pesquisador, Hugo Molinari da Embrapa Agroenergia, com recursos do BNDES/Funtec.
 
Este trabalho foi um dos três selecionados para premiação no Drone Show 2017, que acontece de 9 a 11 de maio em São Paulo. É um evento que premia melhores profissionais, empresas e projetos ligados ao drone dentro da categoria de agricultura. Ainda estão contempladas as de mapeamento e topografía e de tecnologia e educação.
Além disso, a Embrapa Agroenergia estará participando do Seminário: Utilização de Drones na Agricultura, no dia 10, com o tema “Termovisor embarcado em aeronave remotamente pilotada para avaliação fenotípica de cana-de-açúcar em condições de campo: o que as imagens nos revelam sobre a tolerância à seca”.  A palestra será apresentada pelo bolsista Raphael Casari que ressalta a importância de mostrar a metodologia que está em desenvolvimento na Embrapa que agrega o drone e câmera termográfica. 
Casari salienta que a tolerância à seca é um dos temas do momento. “No mundo todo tem-se discutido como desenvolver técnicas para separar genótipos tolerantes a seca dos não tolerantes.” Todo programa de melhoramento genético precisa fazer a separação de materiais e o drone com a termografia pode ser um grande auxiliar nesta tarefa”, acrescenta.
Os trabalhos com fenotipagem desenvolvidos pela Embrapa Agroenergia podem ser acessados no sitewww.embrapa.br/agroenergia. As informações a respeito da premiação e do evento podem ser acompanhadas pelo site www.droneshowla.com. O evento ocorre em paralelo a 7ª edição do MundoGEO#Connect LatinAmerica 2017