Cenário positivo para o seguro Rural em 2021

Por Rafael Marani

Dados favoráveis não faltam para descrever o atual contexto do seguro Rural no país, em especial, pelo fato de estar atrelado a um setor sólido e eficiente: o agronegócio, que, na contramão das demais áreas da economia brasileira, registrou crescimento recorde de 24,3% em 2020, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

 

 

Para manter esse setor financeiramente estável e longe dos riscos inerentes ao negócio, o seguro Rural vem despontando como uma ferramenta indispensável no campo. Tanto que, como reflexo de sua importância, dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) mostraram um crescimento nesse ramo em torno de 40%, em 2020.

 

 

Outro dado positivo, que também ampara esse volume, é o aumento dos recursos para subvenção ao prêmio do seguro Rural pelo Governo Federal, no ano passado. As informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam que a aplicação do subsídio foi de R$ 881 milhões – o dobro em relação a 2019, o que permitiu apoiar a contratação de mais de 190 mil apólices. Estas foram adquiridas pelos produtores rurais em todas as regiões do país e somaram 13,7 milhões de hectares segurados, um aumento de 104%.

 

 

Os fatores e dados recordes são animadores para o segmento e reforça o volume de oportunidades que o mercado oferece, propagando cada vez mais a cultura do seguro Rural. A maior oferta de subvenção federal, o contínuo desenvolvimento dos canais de distribuição, o investimento de seguradoras em novas tecnologias e serviços, a maior percepção de risco climático por parte dos produtores e a elevação dos custos de produção/valor da saca favorecem a contratação do seguro como ferramenta de mitigação de risco.

 

 

Ainda é importante ressaltar que, mesmo diante de bons números, a área potencial de aplicação do seguro Rural é ampla e ainda há muito espaço para se conquistar. No Mato Grosso do Sul, as áreas seguradas em 2020 quase dobraram. Segundo dados do Atlas do Seguro Rural, do Mapa, o estado tinha 854 mil hectares segurados dentro do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), em 2019, e passou para 1,4 milhão, em 2020. Porém, de acordo com os números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a previsão é de que a área prevista para o plantio de grãos na safra 2020/2021 tenha atingido 5,4 milhões de hectares.

 

 

É fundamental que o seguro Rural seja, cada vez mais, entendido pelo produtor como um insumo, um investimento e uma ferramenta essencial para que possa se garantir no mercado, por meio da proteção de sua propriedade, lavoura e seus equipamentos. Por isso, é importante ressaltar que, dentro do seguro Rural, há várias possibilidades de contratação que vão além do Cultivo, como seguros de Propriedades, que agrega casas, depósitos e granjas; Equipamentos Rurais, tais como tratores, e colheitadeiras; além dos seguros de Vida e de Acidentes Pessoais dos Trabalhadores Rurais.

 

 

Rafael Marani, superintendente de Agronegócios da Allianz Seguros