Bioeconomia:

Nos dias 24 e 25 de outubro, em São Paulo, o Brasil liderará um importante encontro internacional mirando o desenvolvimento da bioeconomia moderna, sustentável e de baixa emissão de carbono. O evento pretende recolocar no mapa global soluções urgentes para combater a mudança do clima. Vinte países membros da Plataforma para o Biofuturo, iniciativa internacional coordenada pelo governo brasileiro e com a participação de várias entidades, entre elas a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), trabalham em uma Declaração de Visão a ser endossada durante a COP23, que acontece em novembro na Alemanha.
O Projeto RenovaBio, em gestação pelo Governo Federal, será destaque entre os exemplos de boas práticas e políticas públicas avançadas conduzidas por 20 países. Entre as autoridades e palestrantes nacionais de destaque estão: o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira; o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho; o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin; o presidente da Apex-Brasil, Roberto Jaguaribe; a presidente da UNICA, Elizabeth Farina, a presidente do CEBDS-WBCSD Brazil, Marina Grossi, e o CEO da GranBio, Bernardo Gradin. 
Entre as autoridades e palestrantes internacionais de destaque estão: o vice-diretor Executivo da Agência Internacional de Energia (AIE), Paul Simons; o vice-diretor Geral da Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), Sakari Oksanen; o CEO global da DuPont Industrial Biosciences, William Feehery; o diretor de Energia e Clima do Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD), Rasmus Valanko e outros delegados e autoridades dos países da Plataforma para o Biofuturo e empresas da Below50.
AGENDA
Biofuture Summit 2017 – 24 e 25 de outubro (SESSÃO DE ABERTURA 24/10, 8H30 AM)
LOCAL: Hotel Estanplaza International, R. Fernandes Moreira, 1293 – Chácara Santo Antônio, São Paulo – SP.
DATA: 24 e 25 de outubro
PROGRAMA COMPLETO, REGISTRO E MAIS INFORMAÇÕES:http://www.biofuturesummit.com
INSCRIÇÕES: As vagas são limitadas e a participação é gratuita, com inscrições online pelo site.
IMPRENSA: inscrições de imprensa podem ser realizadas pelo mesmo site, escolhendo, no formulário, a categoria “MEDIA”.
 
SAIBA MAIS
PLATAFORMA PARA O BIOFUTURO
A Plataforma para o Biofuturo é um mecanismo multissetorial, lançado por iniciativa brasileira em novembro passado, na COP22, reunindo Argentina, Brasil, Canadá, China, Dinamarca, Egito, Finlândia, França, Índia, Indonésia Itália, Marrocos, Moçambique, Países Baixos, Paraguai, Filipinas, Suécia, Reino Unido, Estados Unidos e Uruguai. A Plataforma visa facilitar o diálogo político e a colaboração entre os países líderes, as organizações, a academia e o setor privado, conscientes da necessidade de acelerar o desenvolvimento e ampliar a implantação de alternativas sustentáveis ????de baixa emissão de carbono a soluções com combustíveis fósseis nos transportes, produtos químicos, plásticos e outros setores. O Brasil, por meio do Ministério das Relações Exteriores, desempenha atualmente as funções de facilitação, como coordenador da iniciativa.
BELOW50
O Below50 é uma colaboração global que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento do mercado global e nacional de combustíveis sustentáveis. O projeto busca criar demanda para combustíveis que, como o etanol e o biodiesel, emitam 50% menos CO2 do que os combustíveis tradicionais. A inciativa se propõe:

Aumentar o número de empresas que optam pelos combustíveis Below50;
Criar oportunidades intersetoriais via cadeias de suprimentos;
Demonstrar que os combustíveis Below50 possuem um apelo econômico, social e ambiental;
Abordar as barreiras legislativas e financeiras no abastecimento dos combustíveis Below50.

 
SOBRE O RENOVABIO
O RenovaBio é uma política que busca traçar uma estratégia conjunta para reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz energética brasileira, tanto para a segurança energética quanto para mitigação de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa. Diferentemente de medidas tradicionais, o RenovaBio não propõe a criação de imposto sobre carbono, subsídios, crédito presumido ou mandatos volumétricos de adição de biocombustíveis a combustíveis, e está baseado no reconhecimento dos benefícios ambientais objetivamente calculados dos biocombustíveis no setor de transportes, premiando os mais limpos e eficientes.