Incêndios queimam produtividade nos canaviais e recursos do produtor

“Não há interesse nenhum em fogo no canavial. O fogo é um grande estorvo para a canavicultura”. Marcos Landell

Quem ainda pensa que os incêndios são causados pela canavicultura está um tanto atrasado. Na safra 2020/2021, 99,8% de toda a cana-de-açúcar cultivada em São Paulo foram colhidas sem uso da queimada. Além desse dado, o fogo em canaviais literalmente queima os recursos investidos pelo canavicultor. Portanto, os incêndios observados, sobretudo em agosto deste ano, não são provocados pelo setor sucroenergético. Dados do Programa Cana IAC, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, mostram que os incêndios reduzem o potencial de produtividade em razão da perda de população de colmos da cana no ciclo seguinte, ou seja, no corte posterior.

“Depois de 30 anos caminhando sobre a cana crua, não restam dúvidas: o fogo é um desastre econômico para o produtor”, sentencia o líder do Programa Cana IAC e diretor-geral do Instituto, Marcos Guimarães de Andrade Landell.

Este ano foi atípico para o setor sucroenergético. Em São Paulo, 3% das áreas de cana foram atingidas por incêndios, segundo a União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA). “São 150 mil hectares de cana, que trazem muito prejuízo, principalmente para próxima safra, esse fato traz preocupação para a Unica”, diz Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da UNICA. Essa Instituição promove ações preventivas como o incentivo à construção de aceiros em áreas já colhidas para melhorar o controle de fogo, caso ocorra. Além do fogo, 10% dos canaviais em São Paulo sofreram com a geada este ano. O clima muito seco favorece os incêndios.

“O fogo causa falha no canavial e nessas falhas vai nascer mato, exigindo ações de manejo para eliminá-lo; isso tudo reflete em menor produtividade e menor longevidade do canavial, com consequente maior necessidade de replantio”, explica Landell.

De acordo com o pesquisador, significativa parte das operações já realizadas após a colheita e os produtos aplicados são perdidos quando ocorre incêndio. Conclusão: o agricultor perde recursos. “Essas ocorrências desorganizam a gestão do canavial e dobram o custo de produção”, afirma.

Além desses prejuízos, a qualidade da matéria-prima é impactada após o incêndio. Isso ocorre porque o fogo provoca a entrada de microrganismos na planta, levando ao apodrecimento do material e tornando a matéria-prima ruim para a indústria. “O impacto depende inclusive da variedade que foi atingida pelo incêndio. A urgência de se colher a cana vítima de fogo é para evitar esses prejuízos”, afirma o cientista.

Landell explica que se o incêndio ocorrer em uma região mais fria, os danos são menores. Em região mais quente, a ação dos microrganismos é acelerada, prejudicando ainda mais a qualidade da matéria-prima.

Quanto tempo é necessário para recuperar uma cana queimada

O tempo para recuperar um canavial queimado depende muito da extensão do fogo, do estrago feito e do estágio da cana queimada. Em uma brotação de três semanas, o dano pode ser não muito significativo. Se for de 4-5 meses, a planta irá vai morrer e brotar novamente. Neste caso, perde-se todo o desenvolvimento da planta e todo adubo usado. “Se o fogo ocorrer no período de 3-4 semanas após a colheita, o dano é significativo e se estiver seco, como em setembro, vai prejudicar a rebrota na base por falta de água”, atesta. O produtor terá que entrar com adubos e nem sempre a brotação é do mesmo modo como antes da queimada. “Por isso se investe também em prevenção e combate ao fogo”, diz o diretor técnico da UNICA.

De acordo com Rodrigo Morales, gerente agrícola do grupo Raízen, os incêndios não são atividades do setor sucroenergético. “A palha é um produto para nós, queimar palha é queimar matéria-prima da indústria”, diz. Morales.

O grupo mantém estações meteorológicas em suas fazendas para monitorar chuvas e água no solo. A tecnologia contribui para antecipar as ações preventivas porque, em 2021, a estiagem, que normalmente chega em agosto, chegou em julho. Dados sobre umidade relativa do ar, temperatura e velocidade do vento contribuem para indicar as chances de ocorrer incêndios e com qual velocidade. Em áreas próximas às cidades, o grupo planta variedades precoces para antecipar a colheita e reduzir as chances de fogo.

Palha da cana que resta da corte mecanizado protege o solo

Segundo Marcos Landell, com a nova realidade da cana crua o fogo passou a ser indesejado. O setor tem interesse na palha residual, que resta no solo após a colheita, inclusive em função do déficit hídrico. “A palha cobre o solo e reduz a perda de água do complexo solo/planta nas áreas de produção, o que é interessante para a produtividade dos canaviais”, comenta o diretor-geral do IAC.

A cana crua pode ser uma grande oportunidade de melhorar a produtividade com variedades adaptadas a esse resíduo de palhas. O IAC desenvolveu variedades para diversas regiões com o perfil de canas eretas, que proporcionam melhor operação de máquinas. Exemplos dessas variedades com porte ereto são a IACSP 95-5094 e a IACSP01-5503, que chegou a atingir produtividades de 212 toneladas, por hectare, em áreas sem o uso da irrigação.

O “colchão de palha” mitiga o déficit hídrico. Segundo o líder do Programa Cana IAC, cada 100 ml de déficit hídrico há uma redução aproximada de 12 a 14 toneladas de colmos por hectare. “É bastante! Em Ribeirão Preto teve déficit de 400ml de chuva, no histórico da média de anos. Isso mostra que se não houvesse manejo, o prejuízo seria superior a 30 toneladas por hectare. Sem a palha, a redução da produtividade em Ribeirão Preto seria muito maior”, exemplifica.

Os pacotes tecnológicos desenvolvidos pelo Programa Cana IAC contemplam esse ambiente de cana crua desde o ano de 1994. A mudança no modo de colher cana alterou vários outros aspectos da cultura: incentivou novos estudos sobre nutrição e adubação dos canaviais, com o uso de potássio e cálcio, e acelerou o desenvolvimento de novas variedades adaptadas ao novo ambiente. “Os talhões dos canaviais também mudaram com a mecanização. Novas pragas surgiram com o contexto da cana crua, como a cigarrinha, o que também exigiu novos estudos para controlá-las na situação sem uso de fogo na colheita”, explica Landell.

Para se ter ideia da mudança de ações dos canavicultores, em 1999/2000, 28% dos canaviais paulista tiveram colheita mecanizada. Atualmente são quase 100%. A mudança de rumo foi prospectada pela equipe do Programa Cana IAC, ainda no início da década de 90. Com o início da colheita mecanizada de cana crua, não fazia sentido queimar.

O custo do processamento da cana crua é menor do que o da cana queimada. A diferença é que se processa a cana logo após a colheita. Não há intervalo entre a colher e processar. O caldo é mais rico. “No processamento, os caminhos também foram alterados de cana inteira para cana picada. Isso muda também a forma de recepção da cana nas unidades produtoras”, comenta Padua.

Usar a palha para proteger o solo ou gerar energia?

Em relação à dúvida sobre usar a palha para cogeração de energia ou deixá-la no solo para protegê-lo, a recomendação do IAC é, nos primeiros ciclos da cultura, manter a palha na área colhida, inclusive para evitar o pisoteio do solo provocado por máquinas. “O solo é preservado com a manutenção da palha, deixá-lo desnudo é uma temeridade para a produtividade agrícola”, diz Landell. Os ciclos mais avançados devem ser os preferidos para se eleger com a finalidade de se recolher a palha visando a cogeração de energia.

Por Carla Gomes
IAC

Foto PMA MS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *