Viagem técnica:

Os três ganhadores do CNA Jovem começam a desfrutar do prêmio principal do programa de desenvolvimento de lideranças do Sistema CNA/SENAR nesta sexta-feira (3/3): uma viagem técnica à Nova Zelândia. Durante 10 dias, Izaura Recy Souza Freire Sales, do Rio Grande do Norte; Jaoquim Souza Lima Neto, de Roraima; e Morganna Medeiros de Miranda, de Rondônia, vão conhecer as principais cadeias produtivas da Nova Zelândia: bovinocultura de leite, pecuária de corte, ovinocultura, caprinocultura e viticultura.
Entre eles, a expectativa é “gigantesca”, como define Morganna. A gerenciadora agroambiental, de 27 anos, sempre sonhou em conhecer a Nova Zelândia, que, apesar de ser um país relativamente pequeno e jovem, é destaque mundial na agronegócio.
“O leque de conhecimento que iremos adquirir é imenso, principalmente em relação às novas tecnologias. Poderemos achar respostas pra muitos problemas que encontramos por aqui e trazer esse aprendizado para mais jovens, produtores e famílias do campo. Acredito que essa transferência de experiência e de conhecimento fará valer muito a pena essa viagem”.
A tecnologia e o método utilizado na produção agropecuária, assim como o empreendedorismo dos produtores neozelandeses e o desenvolvimento econômico sustentável são os pontos que mais atraem Izaura no roteiro. Ela entende que esses exemplos irão enriquecer a sua formação pessoal e profissional e que isso será fundamental para o desenvolvimento do seu projeto de liderança.
“Pretendo, particularmente, perceber como ocorre a sucessão rural lá, suas dificuldades e facilidades, e fazer um comparativo com a realizada no Brasil, em especial, do Nordeste, na busca por estratégias e melhorias para o Agro”, destaca a assistente social de 28 anos.
Representante da etnia indígena Macuxi, Jaoquim, de 29 anos, considera a programação “excelente”. Na visão do pedagogo, a viagem proporcionará um conhecimento “ímpar” sobre o país, que tem um setor agropecuário moderno e eficiente e que pode ser um exemplo para o Brasil.
“Tenho plena certeza que essa viagem moldará o meu caráter de líder. Vivo hoje em um estado que tem tudo para ser uma potência no setor agropecuário e espero contribuir com o conhecimento adquirido nesta visita à Nova Zelândia.  Como indígena, quero poder mostrar que existe um índio que busca o melhor para todos através do setor agropecuário, que é a máquina do desenvolvimento de qualquer povo no mundo”.
Programação intensa
Durante o roteiro, o grupo será acompanhado pela chefe do Departamento de Educação Profissional e Promoção Social (DEPPS) do SENAR Brasil, Andréa Barbosa Alves. As atividades acontecerão de 5 a 14 de março.
A programação começará pela ilha de Waiheke, sede de muitos vinhedos e conhecida como a “Ilha do Vinho”. Depois, eles visitarão Waikato, considerado o coração da produção leiteira da Nova Zelândia. Na região, localizada no norte da Nova Zelândia, os jovens conhecerão uma fazenda de caprinos, o Instituto de Tecnologia de Waikato (Wintec) – entidade que oferece cursos na área agropecuária -, e uma propriedade de leite. Ainda em Hamilton, maior cidade da região, a comitiva passará pelo Livestock Improvement Corporation (empresa de comercialização de sêmen bovino) e outra fazenda de gado leiteiro.
Na região de Canterbury, sul da ilha, as atrações serão uma propriedade de gado da raça Jersey e a National Trade Academy (um dos maiores centros de treinamento agropecuário da Nova Zelândia). Ainda nesta parte do país, o grupo visitará uma estância histórica que tem dois mil hectares destinados à criação de ovinos Romney e de gado de corte Angus. Na sequência, o roteiro prevê uma fazenda de gado de leite administrada por um agrônomo argentino.
Depois, em Christchurch, a programação terá atividades em uma propriedade de leite onde dois brasileiros trabalham. O grupo ainda vai visitar, na capital Wellington, o Taratahi Agricultural Training Centre – considerado o maior centro de treinamento agrícola da Nova Zelândia -, e o Museu Nacional Te Papa Tongarewa.
“Queremos interagir com os produtores rurais para conhecermos o processo produtivo, potencial empreendedor dos produtores, como fazem a gestão das fazendas e buscar pontos de convergência. Queremos trazer novas experiências, conhecimentos e modelos produtivos que podem ser adaptados em nosso País”, ressalta Andréa.
O roteiro foi organizado pela médica veterinária brasileira Lúcia Chagas, da empresa Agriconnects. Ela mora na Nova Zelândia desde 1999 e é especializada na área de reprodução animal. 
CNA Jovem
O Programa CNA Jovem tem como foco preparar jovens com vínculo com o meio rural de todo o País para impulsionar ainda mais o setor empresarial rural. A segunda edição, realizada entre julho e novembro de 2016, contou com 81 participantes de 21 estados e do Distrito Federal. Os jovens, de 22 a 30 anos, passaram por um processo de desenvolvimento com 240 horas. Além da viagem para a Nova Zelândia, os três vencedores ganharam um curso de inglês.
A primeira edição do CNA Jovem, realizada entre outubro de 2014 e março de 2015, teve 135 inscritos de 24 estados do Brasil. Cinco candidatos vencedores fizeram uma visita técnica à China para conhecer instituições de pesquisa, modelos de empreendedorismo e prospecção de negócios. Depois do programa, vários egressos assumiram cargos de destaque no setor agropecuário e hoje atuam no Sistema CNA/SENAR em diversos estados.