Técnicos irão a campo conferir novamente área plantada com milho no Mato Grosso Do Sul.

 

 

Técnicos do Projeto Siga/MS irão a campo novamente nos próximos dias para verificar in loco a dimensão da área plantada com milho no Estado. Dessa forma será possível estimar com mais precisão o volume de grãos do cereal a ser colhido nessa safra, que se aproxima da maturação. A dúvida surgiu ao conferir nas imagens de satélite a presença de culturas parecidas com o milho – como gramíneas e sorgo – e cujas áreas podem ter sido contabilizadas para o cereal.

 

 

O Projeto Siga/MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio) é uma desenvolvido em parceria entre a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), a Famasul (Federação da Agricultura de MS) e a Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja do Estado). Todas as semanas é divulgado um boletim informando sobre o andamento da principal cultura da época (clique aqui para fazer o download).

 

 

O presidente da Aprosona/MS, André Dobashi, explica que a equipe esteve a campo na primeira quinzena de maio, quando as plantas de milho ainda estavam em estágio inicial de crescimento. “A partir desses dados, foi estimada uma safra de milho menor do que a previsão inicial, saindo de 1,977 milhão para 1,900 milhão de hectares”. Mesmo com eventual revisão que se faça a partir da segunda visita dos técnicos, Dobashi acredita que a área final do milho ficará muito próxima de 1,9 milhão como estava previsto desde maio, “sem alterações significativas nem para mais, nem para menos”.

 

 

Em comparação com a área da safra 2018/2019, que foi 2,173 milhões de hectares, houve uma redução de 12,57% da área plantada com milho no Estado. A produtividade média esperada também diminuiu devido a problemas de estiagem que atrasou o plantio. No ano passado foi de 88 sacas por hectares e neste ano deve ficar em 72 sc/ha, o que pode resultar numa produção total de 8,208 milhões de toneladas.

 

 

Publicado por: João Prestes

Foto Divulgação: Mapa