Sustentabilidade:

Os resíduos gerados pelo programa Do Rural à Mesa – desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) – poderão ser transformados em adubo para os próprios produtores participantes da iniciativa. Com esse processo, conhecido como logística reversa, todo o ciclo de sustentabilidade do programa estará completo.
O composto seria produzido através de uma parceria com o projeto Senado Verde, do Senado Federal, que mantém um viveiro para a produção de mudas. No local também existe uma composteira que transforma restos de alimentos dos restaurantes do Senado, borra de café, podas e corte de grama em adubo orgânico. A proposta foi apresentada durante uma visita realizada nesta sexta-feira (10/2) e será encaminhada ao Núcleo de Coordenação de Ações Socioambientais do Senado Federal para avaliação.
A ideia é utilizar as sobras das hortaliças fornecidas pelos produtores do SENAR para os estabelecimentos do Senac, localizados no Congresso Nacional, e depois devolver uma parte do composto produzido para esses produtores. Inicialmente seriam contemplados 12 integrantes da Associação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Astraf), de Sobradinho (DF).
Mesmo que a previsão inicial de adubo fornecido seja pequena diante da demanda, os benefícios da parceria ultrapassariam o apoio à parte produtiva do programa. Segundo a coordenadora técnica do Do Rural à Mesa, Bárbara Evelyn Magalhães, a principal vantagem é o exemplo educativo que a ação vai gerar junto aos produtores e à sociedade urbana.
“Queremos integrar essa parte da logística reversa para fechar o ciclo, mas o nosso maior interesse é na contribuição educacional da parceria. Vamos mostrar que também cuidamos dos resíduos e que eles podem ser úteis e voltar para o seu lugar de origem”, explica.
Outro ponto positivo seria a troca de experiências, já que o Do Rural à Mesa prevê visitas de integração entre os envolvidos no programa. Um dos coordenadores do Senado Verde, o paisagista Érico Zorba Galvão, sugere que os produtores possam  participar do processo de compostagem para aprender ainda mais sobre a importância dessa etapa.
“Podemos trazer os produtores aqui para eles verem como fazemos e até participarem de uma atividade, como peneirar o composto e depois devolver o restante na composteira. No final, cada um pode levar um saco de adubo para a sua propriedade”, propõe Galvão, que considera a parceria promissora.
O técnico de campo do Do Rural à Mesa, Thiago Campos; a gerente pedagógica do Senac Gastronomia, Patrícia Garcia; e o arquiteto do Senado Verde, Mário Hermes Viggiano, também estiveram presentes na visita.