Sojicultor campeão do CESB 2020 aposta na qualidade do solo para o equilíbrio entre produtividade e sustentabilidade.

Produtor Laércio Dalla Vechia levou o troféu da 12ª edição com a colheita
de 118,82 sacas por hectare em sua propriedade no Paraná

 

 

Atento ao desenvolvimento das tecnologias voltadas ao campo e à crescente preocupação por práticas sustentáveis, o produtor de soja, Laércio Dalla Vechia, contou com a aplicação das inovações disponíveis no mercado e a quantidade adequada de nutrientes para a cultura, o que lhe rendeu 118,82 sacas por hectare na safra 2019/2020. Este resultado consagrou o agricultor como vencedor nacional da 12ª edição do Desafio de Máxima Produtividade do CESB (Comitê Estratégico Soja Brasil).

De acordo com Laércio, as melhorias já vêm acontecendo há cinco anos nos 250 hectares de sua propriedade, localizada em Mangueirinha (PR), desde quando participou do concurso pela primeira vez. “Antes eu não tinha uma plantação sustentável e comecei a perceber que o solo era a parte mais importante para uma produção rentável, pois faltava adubação correta de calcário e outros nutrientes”, explica. Nesta safra, o produtor utilizou o YaraBasa do portfólio premium da Yara, desenvolvido para os solos brasileiros para adubação de base, principalmente para a cultura da soja. Este fertilizante contém 8 nutrientes no mesmo grânulo, tecnologia que proporciona uma adubação uniforme, evita perdas e otimiza ao máximo sua capacidade produtiva.

 

 

Defensor do uso de novas tecnologias no cotidiano das propriedades rurais, Laércio defende que a única forma de atingir a máxima produtividade de maneira sustentável é alimentar o solo corretamente. “Construir uma alta produção no campo é igual a construção de um prédio, o alicerce é a parte mais importante. Na lavoura é igual. A parte que fica debaixo da terra é que sustenta toda a plantação. As condições físicas, químicas e biológicas do nosso solo são essenciais para uma boa colheita”, explica o produtor.

 

 

Mesmo após o reconhecimento, o agricultor continua investindo em sua lavoura e já pensa no próximo passo para melhorar ainda mais a qualidade de seu solo. “Precisamos dar a devida importância para as plantas de cobertura, pois são elas que diminuem os problemas na lavoura”, conta Laércio. As plantas de cobertura, como o próprio nome já diz, têm a finalidade de cobrir o solo, protegendo-o de erosões, e evitar as perdas de nutrientes – consequentemente, otimizam ainda mais o uso de recursos.

 

 

Premiação acontece há mais de dez anos

 

 

Utilizando pesquisas, tecnologias e a sustentabilidade como pilares para alcance dos maiores índices de produtividade de soja, o Desafio de Máxima Produtividade do CESB acontece desde 2008 e já premiou produtores de várias regiões, que a cada ano superam os patamares já registrados de produtividade na cultura.

 

 

A Yara, líder mundial em nutrição de plantas, entrou neste ano para o hall de empresas patrocinadoras do prêmio, iniciativa extremamente relevante para a produção agrícola nacional. O Brasil é o principal exportador de soja, sendo o segundo colocado nas exportações de farelo e óleo de soja, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE).