Sebrae e Semagro assinam convênio para desenvolver área plantada de MS

Cooperação entre instituições visa a elaboração do Plano Estadual de Desenvolvimento Sustentável de Floresta Plantada

 

 

Representantes do Conselho Deliberativo do Sebrae/MS e do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) assinaram nesta segunda-feira (24), um convênio para apoiar a elaboração do Plano Estadual de Desenvolvimento Sustentável de Floresta Plantada de Mato Grosso do Sul.

 

 

A cooperação entre as instituições, por meio do convênio celebrado entre a Semagro, o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e o Equilíbrio Fiscal do Estado (Fadefe), e o Sebrae/MS, tem como objetivo realizar a elaboração do Plano, que busca o desenvolvimento sustentável do Setor Florestal do estado.

 

 

Segundo o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/MS e presidente do Sistema Fiems, Sérgio Longen, o plano é essencial para a diversificação da matriz econômica do estado. “O Setor Florestal ocupa um lugar de destaque entre os segmentos econômicos no país, e Mato Grosso do Sul percebemos que a industrialização do segmento já se encontra em andamento, com esse convênio, buscamos apoiar o desenvolvimento sustentável do estado”, disse.

 

 

As áreas com florestas plantadas representam a principal fonte de suprimento de matéria-prima para importantes segmentos da indústria florestal, como a celulose e o papel, móveis de madeira, siderurgia, alimentícios, borracha natural. Na visão do titular da Semagro, Jaime Verruck, o setor possui um alto potencial no estado.

 

 

“Tivemos um avanço substancial do setor florestal, hoje tem uma representatividade significativa na economia, sendo o primeiro estado na exportação de celulose do país, e somos o segundo em área plantada. Nos próximos dois anos seremos o líder nacional em área plantada de floresta”, destaca.

 

 

Ainda segundo o secretário Jaime Verruck, o plano é elaborado de forma conjunta, seguindo uma visão estratégica. “É um replanejamento para atrair novos empreendimentos, para fazer o adensamento da cadeia produtiva, para buscar novos mercados e estimular novos negócios. O plano trará um conjunto de informações extremamente importantes, e dentro desse foco, também vamos identificar as oportunidades para as micro e pequenas empresas dentro desse setor”, finaliza.