Santander e DATAGRO realizam evento sobre Abertura de Safra de Cana 2020/21.

Quarta edição do evento apresentará a projeção de produção da safra de cana para próxima safra

 

 

O Abertura de Safra de Cana, Açúcar e Etanol é considerado um dos principais eventos do setor, reunindo empresários e executivos de usinas, produtores e fornecedores de cana e lideranças políticas para debater e apresentar análises inovadoras para a atual safra de cana. A conferência acontece no dia 11 de março, na cidade de Ribeirão Preto.

O evento trará uma avaliação da safra 2019/20 e as estimativas para 2020/21, debates sobre o potencial da bioeletrecidade, Renovabio e suas perspectivas, fundamentos do mercado internacional, etanol de milho e detalhes sobre a missão etanol da Ásia.

“ Nosso objetivo nos próximos dias será compartilhar a experiência e trajetória de mais de 40 anos sobre o etanol para os países asiáticos. Passaremos por Índia, Tailândia e Paquistão. É uma grande oportunidade para que esses países compreendam e ampliem a política de uso de biocombustíveis ” afirma Guilherme Nastari, Diretor da DATAGRO.

Em recente visita à Índia, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, abordou o potencial do país asiático na produção de etanol – por ser um dos maiores produtores de cana-de-açúcar do mundo.

O evento contará com a presença de Martinho Ono, CEO da SCA Ethanol; Zilmar Souza, Gerente da UNICA; Newton Duarte, Diretor Executivo da COGEN; Mario Roberto Opice Leão, Vice-Presidente Executivo, SANTANDER; Aurélio Amaral, Diretor, Agência nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis – ANP; Leonardo Botelho Zilio, Diretor SINDICOM; Silvio Rangel, Presidente do SINDALCOOL – MT; Guilherme Nolasco, Presidente da UNEM, Plinio Nastari, Presidente da DATAGRO entre outros importantes líderes do setor.

Pelo terceiro ano, o Santander é um dos realizadores do evento junto com a DATAGRO. Em sua última edição, o evento reuniu mais de 20 palestrantes e aproximadamente 950 participantes. A carteira de crédito ao agronegócio somou R$ 69,5 bilhões ao final de 2019, cerca de 25% dos ativos totais do Banco. Desse total, R$ 20 bilhões foram para o varejo e R$ 49,5 bilhões para o segmento atacado (empresas com faturamento acima de R$ 200 milhões). Para somente as usinas foram destinados mais de R$ 8 bilhões, e incluindo as tradings de açúcar e álcool e cooperativas, o valor chega a R$ 9,5 bilhões.