Reestruturação:

Em reunião realizada nesta terça-feira (14), na sede do Senai de Dourados, o presidente da Fiems, Sérgio Longen, entregou à prefeita Délia Razuk e aos secretários municipais a proposta de reestruturação da Prefeitura voltada para a eficiência da gestão e que, implantadas, possam refletir no equilíbrio das contas públicas e incremento na capacidade de investimento, planejamento e gerenciamento das políticas do município. 
 
Segundo Longen, o projeto é um pedido da própria prefeita Délia Razuk, que, durante reuniões realizadas na Fiems, discutiu formas de melhorar a eficiência pública e, consequentemente, desenvolver a região da grande Dourados. “A proposta é um compromisso assumido com a prefeita quando ele decidiu se candidatar nas eleições passadas. Hoje entregamos aqui a primeira parte do processo de gestão pública porque entendemos que hoje é necessário que os municípios avancem em gestão, reduzindo o tamanho da máquina e ampliando as áreas de infraestrutura, saúde, educação e, assim por diante”, declarou.
 
Por sua vez, a prefeita Délia Razuk agradeceu ao presidente da Fiems pelo comprometimento que teve com o desenvolvimento de Dourados desde a época da eleição. “Agora, passado o período eleitoral, nos oferece algumas propostas, que vamos levar aos nossos secretários e aos nossos representantes políticos. Gostei muito, já posso adiantar que muitas delas serão aplicadas para o avanço econômico do município”, comemorou.
 
Modernização da gestão
 
O detalhamento da proposta foi apresentado à prefeita e ao primeiro escalão da Prefeitura de Dourados pelo especialista em gestão pública Thaner Nogueira, autor do projeto, em reunião que também contou com a presença do diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, e do gerente da unidade no município, Yashi de Miranda.
 
Autor do projeto para levar eficiência à administração de Dourados, o especialista em gestão pública explica que as mudanças, basicamente, incluem o estabelecimento de metas e acompanhamento constante do cumprimento das mesmas, passando pela capacitação do funcionalismo público.
 
“O plano de governo é ponto de partida e as demais secretarias precisam estar alinhadas com essa proposta. Depois de feito esse compromisso, cujo instrumento mais comum é um contrato de gestão, mas, pode até mesmos ser uma simples planilha estabelecendo o que deve ser entregue e em qual prazo, o grande segredo é o acompanhamento para conferir o que está sendo realizado”, resumiu Thaner Nogueira.