Proliferação de escorpiões:

Pesquisadores do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE) da UNESP, câmpus São José do Rio Preto, estão monitorando e investigando as causas do aumento de ataques de escorpiões.
De acordo com reportagem veiculada no Jornal Nacional, da Rede Globo, os pesquisadores buscam esclarecer o que estaria favorecendo a proliferação dé escorpiões na região, que foi a que mais registrou acidentes nos últimos dez anos em todo o Estado de São Paulo. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, esse tipo de ocorrência cresceu quase 800% desde 2000, principalmente na Região Sudeste.
Entre as hipóteses levantadas pelos pesquisadores, está o desaparecimento de predadores naturais, como sapos e corujas. Além disso, o lixo nos centros urbanos atrai insetos como baratas, que servem de comida aos escorpiões.
A picada do escorpião amarelo, que tem aparecido no Estado de São Paulo, pode ser lesiva ao sistema nervoso, provocar alterações respiratórias e acúmulo de líquidos nos pulmões.
“A gente tem galerias fluviais, esgoto, entulho que muita gente joga em local inadequado, lixo. Então tudo isso favorece o ambiente adequado para o escorpião”, explicou à Rede Globo o biólogo da Unesp Antônio Carlos Lofego, professor do Departamento de Zoologia e Botânica e orientador no Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal da UNESP.
 
Unesp