Parceria entre Bayer e Universidade Federal de Viçosa (MG) incentiva pesquisa sobre doenças na cultura da soja.

Por meio do acordo firmado pela multinacional e a instituição de ensino superior será possível estudar organismos que causam a podridão na soja brasileira

 

 

A Bayer e a Universidade Federal de Viçosa (MG) assinaram uma parceria de colaboração técnico-científica para o desenvolvimento de um estudo de variabilidade de populações de Phytophthora – que são patógenos que provocam a podridão radicular e da haste da soja no Brasil.

 

 

“Os resultados da pesquisa permitirão melhor compreensão dos mecanismos de ação no fungo, pois durante o projeto será possível investigar os patótipos e a genética do Phytophthora, responsável por um dos principais problemas que afetam a cultura da soja hoje. Com a pesquisa queremos determinar as raças que causam podridão radicular e da haste da soja; descobrir a variação nas amostras coletadas em diferentes regiões e estimar a efetividade dos genes. Além de comparar as estruturas genéticas dessas populações” explica Dirceu Júnior, diretor do Centro de Expertise em Agricultura Tropical (CEAT) da Bayer.

 

 

A podridão radicular e da haste em soja é uma doença causada pelo oomiceto Phytophthora sojae, típico patógeno habitante de solo. Em solos mal drenados, a doença pode causar impactos econômicos expressivos e a melhor forma de manejo da doença tem sido o uso de variedades de soja resistentes.

 

 

Foto-divulgação-wikipedia