Operação Pele de Sapo, coordenada pela Receita Federal e por Auditores Fiscais Federais Agropecuários, apreende drogas no Rio Grande do Norte.

Ação teve apoio da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Federal e faz parte de medida contra tráfico de drogas que usa frutas como disfarce no porto de Natal

Terminou com a apreensão de anfetaminas, carros e dinheiro roubados a operação Pele de Sapo, desencadeada pela Receita Federal e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com apoio da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal, no Porto de Natal e em estradas do Rio Grande do Norte. O nome da operação é uma homenagem ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento feita pela Receita por causa da adesão dos auditores fiscais federais agropecuários (Affas) à operação, que tinha como principal foco o enfrentamento ao tráfico de drogas.

Segundo informações obtidas pela operação, traficantes usavam embalagens de frutas exportadas pelo Porto de Natal para esconder drogas com destino à Europa. Para os Affas a maior preocupação é com a manutenção dos quase 60 mil empregos que a fruticultura gera no Estado e que podem ser extintos caso os exportadores deixem de usar essa linha marítima em decorrência dos casos de tráfico. O porto exporta a produção de frutas dos Estados do Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará e Paraíba.

A operação começou na sexta-feira (5) e terminou na noite de domingo (7), envolveu funcionários dos quatro órgãos e patrulhas volantes nas rodovias. Foram vistoriados comboios que transportavam contêineres para o porto e carros que os seguiam. Com isso, foram apreendidos veículos e dinheiros roubados, e drogas foram encontradas nas frutas. Cinco pessoas foram presas.

Ações como estas ampliam a atuação dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários e abrem novas possibilidade de colaboração entre o Mapa e outros órgãos de fiscalização. Nos próximos dias, novas operações serão desencadeadas em outros portos do país.