Novas variedades:

A Biosev, segunda maior processadora de cana-de-açúcar do mundo, está apostando no desenvolvimento de novas variedades da planta adaptadas às terras secas e ácidas do Nordeste, onde a empresa possui duas unidades de processamento, Estivaz (RN) e Giasa (PB), e mais de 40.000 hectares próprios de cultivo. O projeto ocorre em parceria com a Ridesa (Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético).
Em uma área de 2 hectares próxima a Natal (RN), a Biosev plantou 25 mil mudas de cana-de-açúcar, originadas de dois genitores diferentes, com características específicas: um pode ter resistência a doenças e outro alto índice de produtividade, por exemplo.
Cada cruzamento rende 12 indivíduos irmãos e geneticamente distintos. As 25 mil mudas foram catalogadas e o desenvolvimento da plantação é acompanhado diariamente. O plantio do canavial foi mecanizado, simulando o método de trabalho da multinacional em suas áreas dedicadas ao comércio. O experimento é o primeiro passo de um plano que visa gerar variedades de cana-de-açúcar tipicamente nordestinas, adaptadas ao clima e solo da região, dentro de até dez anos.
A colheita da área experimental, também mecanizada, está programada para o primeiro trimestre de 2017, quando os técnicos reavaliarão o lote, selecionando o que deu certo e analisando as mudas menos interessantes.
“A partir da rebrota é que avaliamos a qualidade do material. O melhorista entra para ver as variedades que sofreram ataques de pragas e outros tipos de problemas”, explica Ricardo Lopes, diretor agrícola da Biosev.
A estimativa dos técnicos é de que sejam feitas ao menos quatro seleções de materiais até se chegar à escolha de uma variedade de cana-de-açúcar que será multiplicada e plantada comercialmente na região.
 
Fonte: Biosev