Muito além da exportação: Pragas, doenças e daninhas prejudicam produção de alimentos, cosméticos e medicamentos.

 

 

O custo da cesta básica em São Paulo aumentou apenas 1,4% entre janeiro e agosto, segundo o Dieese. “O principal responsável por evitar que os preços subissem ainda mais, mesmo em um período tão desafiador como a pandemia, é o aumento da produção de grãos, frutas, verduras, carnes, fibras e bioenergia. Nunca o Brasil produziu tantos alimentos para atender à demanda da população. Dois exemplos são as 11,2 milhões de toneladas de arroz e as 3,5 milhões de toneladas de feijão por ano”, informa Julio Borges, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).

 

 

Arroz e feijão são dois itens indispensáveis da cesta básica, também composta por batata, tomate, banana, açúcar, óleo, café, farinha de trigo, manteiga, carne e leite. “O arroz e o feijão são alimentos essenciais e fazem parte da dieta diária dos brasileiros. A produção tem desempenho fantástico, pois não deixa faltar esses grãos na mesa das famílias. Mas os desafios são grandes. Em 15 anos, a área de cultivo do arroz caiu mais da metade. O feijão também perdeu mais de 1 milhão de hectares. A boa notícia é que tanto a produção de arroz como a de feijão aumentaram nesse período, devido aos relevantes ganhos de produtividade. Para os consumidores, isso significa mais oferta de alimentos essenciais com os preços controlados”, complementa Julio.

 

 

Vários fatores interferem no sucesso dos produtos agrícolas, itens essenciais para as pessoas e para o país. A disponibilidade de terras, o clima tropical, as tecnologias modernas, o controle das pragas, o aumento do consumo e o próprio mercado, que regula os preços.

 

 

“Cerca de 80% dos itens da cesta básica são vegetais, que sofrem o impacto muito mais direto do clima, por exemplo. Se por um lado o Brasil é privilegiado pelo clima tropical e pode ter até três safras por ano, como é o caso do feijão, por outro é o cenário perfeito para a ação de insetos, doenças, e plantas daninhas, inimigos declarados da produção, que quando não controlados podem reduzir pela metade a quantidade de alimentos disponíveis no mercado, fazendo com que o país retornasse à situação de cerca de 50 anos atrás, quando ainda precisávamos importar mais da metade do nosso consumo de alimentos”, reforça o presidente do Sindiveg.

 

 

“Hoje, os defensivos agrícolas são os principais aliados no controle das pragas, doenças e ervas daninhas. Sem eles, a produção cairia cerca de 40% e, em algumas culturas, esta perda poderia chegar a 90%. O impacto na vida dos brasileiros seria desastroso”, diz Julio Borges. “Na verdade, se trata de uma luta entre esses inimigos da agricultura e a oferta de alimentos e demais produtos derivados para a população. Se eles vencem, perdemos todos nós”.

 

 

Impacto das pragas na produção de alimentos – Apresentar a importância dos defensivos agrícolas para a sociedade em relação ao combate das pragas, ervas daninhas e doenças no campo, demonstrando que isso é uma estratégia de produção importante para garantir a qualidade dos alimentos e o volume de produção, é um dos objetivos do Sindiveg, que há quase 80 anos se dedica à disseminação de conhecimento para o campo, promovendo a produção com uso de alta tecnologia de forma segura e consciente. Dessa maneira, todos saem ganhando: o meio ambiente, o agricultor e a sociedade como um todo. “Nossa proposta é abordar os principais problemas das mais importantes culturas e apresentar os seus efeitos sociais porque, efetivamente, as pragas, doenças e ervas daninhas têm impacto direto na oferta não apenas em alimentos in natura, mas em toda a cadeia de consumo – como a produção de roupas, carne, cosméticos e até mesmo medicamentos –, o que interessa diretamente a todas as pessoas”.

 

 

O risco da explosão de preços dos alimentos devido à implacável ação das pragas não se limita ao arroz, ao feijão e a outros produtos do nosso dia a dia. “A soja nos fornece o óleo, mas, assim como o milho, também é transformada em farelo, usado na ração para os animais, em cosméticos e até mesmo em formulações medicamentosas. Com o ataque de uma praga ou doença que diminua sua oferta, além de o preço do óleo subir, haveria também aumento das carnes e diversos outros mercados de consumo. A cana nos dá o etanol, biocombustível essencial, inclusive para redução da emissão de gases na atmosfera. O algodão nos dá a vestimenta. A produção agrícola cumpre vários papéis importantes em nossas vidas”, explica Julio Borges.

 

 

“Em 40 anos, o custo da cesta básica caiu pela metade. O sucesso da produção de alimentos é a mola-mestra desse processo”, finaliza o dirigente. O conteúdo, preparado com o apoio técnico das empresas associadas, será disponibilizado periodicamente pelo Sindiveg por meio de seu site (www.sindiveg.org.br) e também dos veículos de comunicação.