Mudança climática: CDP lança índice de mercado.

 

 

O CDP América Latina, escritório regional do CDP Global, organização internacional sem fins lucrativos que mede o impacto ambiental de empresas e governos de todo o mundo, lançou na última semana durante o Conexão CDP 2020, em São Paulo/SP, o Índice CDP Brasil – Resiliência Climática (ICDPR-70), com apoio técnico da Resultante Consultoria.

 

 

O Índice de ações mensura o desempenho dos papeis de empresas com práticas diferenciadas em gestão climática, alinhado às tendências globais e recomendações de acordos internacionais como TCFD – Task-Force for Climate-Related Financial Disclosure, força-tarefa criada pela Financial Stability Board e que facilita a divulgação de informações financeiras relacionadas ao clima por companhias de todo o mundo.

 

 

“O Índice irá quantificar o valor financeiro das organizações frente ao tema da mudança climática. A nova relação responde uma grande dúvida do setor financeiro: ‘Empresas que têm gestão sobre esse tema têm desempenho financeiro melhor na bolsa de valores?’. Por meio desse trabalho, foi possível descobrir que sim e o propósito é valorar esse tema”, explica Lauro Marins, Diretor Executivo do CDP América Latina.

 

 

As empresas participantes do Índice são listadas na Bolsa de Valores, as 100 mais líquidas e com score acima de C no questionário de clima do CDP.

 

 

Além do lançamento do Índice, o evento promoveu uma oportunidade de encontro e diálogo entre gestores públicos, privados e investidores, potencializando as conexões existentes e fomentando novas possibilidades de ações conjuntas.

 

 

O professor Celso Lemme, do COPEAD/UFRJ, e presidente do Conselho Técnico Consultivo do CDP América Latina, conduziu a palestra “Avaliação financeira de questões socioambientais” e abordou temas como a integração de aspectos ESG, sustentabilidade e finanças e o valor de mercado das companhias. Por sua vez, Patrícia Coimbra, Vice-presidente de RH, Administrativo e Sustentabilidade da SulAmérica, discursou sobre o que deve ser feito hoje para alcançar a sustentabilidade em toda a cadeia.

 

 

Premiação

 

 

Como parte da programação do evento, foram divulgados os resultados de empresas e cidades do ciclo 2019 e premiados os líderes na transparência de ações climáticas, de segurança hídrica e de combate ao desmatamento.

 

 

Na edição CDP Cities 2019, participaram 304 cidades da América Latina, região que teve maior número de respondentes de todo o mundo. No Brasil, são 111. Foram 35 tipos de perigo reportados, com quatro que mais afetam as cidades (secas, tempestades, altas temperaturas e enchentes); 440 ações reportadas, das quais 17% envolvem o plantio de árvores para prevenir enchentes e tempestades; e 500 oportunidades diante das mudanças climáticas, sendo resíduos a com mais oportunidade, seguido da área ambiental, energia e transporte. As cidades estão reduzindo custos e melhorando a qualidade de vida da população por meio da mitigação à mudança do clima.

 

 

Entre as nove cidades da A-List, receberam o prêmio Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Buenos Aires.

 

 

No relatório de resultados de empresas, reportaram-se informações de risco hídrico, climático e de desmatamento para investidores e de fornecedores para seus clientes. Em clima, foram 90 empresas e 1003 fornecedores; em água, 31 empresas e 442 fornecedores; e em florestas, 15 empresas e 163 fornecedores.

 

 

Em clima, as 269 iniciativas de empresas tiverem investimento de $1,4 bilhões, economizaram $1,5 bilhões e reduziram 19 milhões de toneladas de CO². Em água, foram captados 1 bilhão de megalitros de água, consumidos 14 milhões de megalitros e descartados 986 milhões de megalitros.  

 

 

E em florestas, os riscos mais citados foram mudança nos padrões de precipitações, cobertura negativa da mídia e incerteza sobre a origem do produto e/ou legalidade. O impacto financeiro dos riscos identificados foi estimado pelas empresas entre $32 milhões em um cenário otimista e $408 milhões em um cenário pessimista. Entre as oportunidades, as mais lembradas foram maior eficiência dos processos de fabricação e/ou distribuição, economia de custos, maior transparência e expansão para novos mercados.

 

 

Em empresas na A-List, no segmento de clima, as premiadas foram Grupo CCR e Klabin; em água, Braskem, Cemig, CMPC e Klabin; e na categoria CDP Supplier Engagement Leaderboard, Klabin e Natura.