Grupo Açotubo aposta em cenário positivo para o setor sucroenergético no pós-pandemia.

Um dos principais fornecedores de materiais para manutenção de máquinas e equipamentos lembra que a entressafra é fundamental para a retomada.

 

 

O Grupo Açotubo, maior distribuidor no atendimento ao varejo do ramo siderúrgico na América Latina, tem perspectivas positivas para o setor sucroenergético na retomada da economia.  Com a proximidade da entressafra, período entre dezembro e janeiro, a companhia mantém a projeção de crescimento de 20 a 30% no fornecimento de tubos de aços e conexões utilizados em máquinas e equipamentos no campo e nas usinas.

 

 

 

As indústrias do setor, de modo geral, não pararam porque a lavoura não espera. O que deve ser retomado com força total é o ritmo de produção. E se o trabalho continuou, mesmo em cenário adverso, isso significa que os equipamentos foram utilizados e, consequentemente, deteriorados. “Hoje, por exemplo, a gente tem o Aço Inox 410, que é amplamente utilizado, principalmente onde há desgaste por abrasão, terra ou sujeira, como no transporte da cana até a moagem”, explica Williams Cintra, gerente da filial Sertãozinho do Grupo.

 

 

 

Em termos de materiais, o portfólio de soluções disponíveis é amplo. Desde tubos de aço resistentes para altas temperaturas e pressão, linha de conexões que garantem a performance dos equipamentos em condições especiais, até a divisão de aços inoxidáveis, que são os mais apropriados para aplicação em áreas com maior incidência de ataques químicos, conferindo facilidade de higienização e maior durabilidade / vida útil.

 

 

 

Cenário pré e pós-pandemia

 

 

 

Williams lembra que no final do ano passado, quando o novo coronavírus ainda não havia se espalhado, o clima era de total otimismo no setor, principalmente devido ao início do Renovabio, projeto com objetivo de praticamente duplicar a matriz energética de produção de etanol no Brasil. Já durante a pandemia este panorama se distanciou da estrutura. A produção do etanol estava normal, mas a demanda diminuiu, abrindo espaço para o açúcar, que teve aumento de exportações. Agora, com a retomada, o preço do álcool começa a reagir e o Grupo Açotubo está preparado para a manutenção da entressafra.

 

 

 

“Considerando um olhar para o Renovabio, nosso papel como fornecedor é extremamente estratégico porque oferecemos 100% dos materiais com rastreabilidade de produto, algo importante para que as empresas não tenham interrupções durante os processos”, diz o especialista. Sobre as lições deixadas pelo período adverso, Williams é categórico. “Sem dúvida a nossa diferença foi o olhar para a solução e não problematizar sobre algo que já estava estabelecido. Além disso, coragem para avançar enquanto todos estavam desacelerando, movidos por um grupo técnico extremamente coeso, qualificado e determinado”, completa.