Após longos períodos estacionados, aviões de pequeno porte pequenos precisam de reavaliação do combustível

 

 

A Intertek, líder em Garantia de Qualidade Total em Qualidade, Segurança e Sustentabilidade para a indústria, recomenda tomar medidas adicionais para avaliação de combustíveis de aviação armazenados por longos períodos

 

 

Com a drástica redução das viagens aéreas, e os pequenos aviões completamente parados por meses, o novo alerta não é sobre o avião no céu, mas sobre os aviões estacionados em solo. É recomendável revisar detalhadamente qualquer combustível parado por mais de 3 meses. Diversas são as áreas de estudo e ação relacionadas ao setor de transporte aéreo, principalmente em relação aos combustíveis.

Segundo a Intertek, fornecedora líder global de Garantia da Qualidade Total para indústrias do mundo inteiro, com mais de 1.000 laboratórios e escritórios e mais de 46.000 pessoas em mais de 100 países , após análises microbiológicas de aeronaves no Brasil que apresentaram problemas após os primeiros 150 dias de quarentena, observou-se a degradação do combustível dentro do tanque por bactérias presentes na água no produto. “Quando o petróleo é extraído da terra, ele entra em uma mistura de solo, areia, sedimento, água e gás. Quando separados, a gasolina, o óleo diesel sempre apresentam teor de água. Quando armazenada por muito tempo, a água, por ser mais pesada, vai para o fundo do tanque “, explica Edmundo Martins, gerente de operações da Intertek Brasil. “As empresas deveriam ter uma rotina de drenagem para retirar a água decantada dos tanques e detectar a degradação de bactérias. Mas quando este é decantado no fundo do tanque de uma aeronave não utilizada, recomenda-se um mergulho profundo para evitar qualquer problema “, reforça Edmundo.

De acordo com a Intertek, o combustível armazenado por períodos mais longos precisa de verificação e auditoria constantes. A empresa realizou análises microbiológicas durante o mês de julho em 36 situações de transporte aéreo no Brasil e constatou em algumas delas a presença de bactérias em níveis médio e baixo. Se não for tratada com biocida, a aeronave pode apresentar riscos.

Por não ser um item normalmente testado ou ter especificação da ANP (Agência Nacional do Petróleo), nem todo mundo está fazendo essa avaliação. A boa notícia é que as ações de conscientização lideradas pela Intertek com a distribuição de informações relacionadas à qualidade dos combustíveis para aviões, levam diferentes empresas a buscarem ajuda.

“Tivemos um aumento significativo nos pedidos de análise de combustível de acordo com a especificação da ANP, incluindo análises microbiológicas.”. diz Edmundo.

Existe também uma demanda por aviação comercial e fiscalização de aviação em larga escala, que utiliza querosene, mas mesmo assim, se o produto estiver parado, precisa de atenção, já que combustíveis que estão parados há mais de 3 meses precisam ter sua qualidade retestada para ter certeza de que suas características importantes permanecem, de acordo com especialistas.