Líderes da UPL debatem mercado agro em fórum da Câmara de Comércio Índia Brasil

Evento contou com a participação do CEO global da empresa, Jai Shroff, e do presidente da empresa no Brasil, Fabio Torretta, além da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

 

 

 

 

A UPL, uma das quatro maiores empresas de soluções agrícolas do Brasil e quinta maior do mundo, participou da quinta edição do Fórum de CEOs promovido pela Câmara de Comércio Índia Brasil. O evento virtual, que teve como foco fomentar o debate sobre oportunidades na relação bilateral entre as nações no agronegócio, teve a participação de Jai Shroff – CEO Global da UPL – e Fabio Torretta – presidente da empresa no Brasil.

 

 

“Índia e Brasil estão construindo parcerias fortes e os laços de negócios entre os países estão crescendo em ritmo muito bom. Nós, da UPL, estamos honrados em ser um dos principais players da Índia a estar presente no mercado brasileiro. O futuro do comércio de alimentos do Brasil para a Índia é brilhante e acredito que há uma quantidade enorme de oportunidades para aumentar as relações comerciais entre os dois países”, afirmou Shroff.

 

 

O Brasil é o maior mercado da UPL, que tem sede em Mumbai, na Índia. A relação entre os dois países tem sido peça fundamental para a estratégia da companhia, que, muito além da venda de insumos, é contribuir para o desenvolvimento da agricultura e da produção sustentável de alimentos. Com receita anual de US$ 5 bilhões, a UPL está em mais de 130 países, com mais de 10 mil colaboradores e atuação em cerca de 90% da produção mundial de alimentos.

 

 

“Estamos muito orgulhosos de nossas conquistas no Brasil. Nos últimos 10 anos, nós tivemos um crescimento de quase 15 vezes em nossos negócios”, destacou Jai Shroff. “A UPL está comprometida em construir uma parceria forte para tornar o Brasil muito mais resiliente no mercado agrícola. Estamos comprometidos em investir em tecnologia, não apenas de produtos químicos, mas também de bioprodutos”, complementa o CEO global.

No território brasileiro, onde fatura US$ 1,3 bilhão ao ano, a empresa conta com mais 200 consultores técnicos nas principais regiões agrícolas e atua fortemente em soja, milho, algodão, cana-de-açúcar, hortaliças, frutas e pastagem, com um portfólio integrado de soluções que vão desde o tratamento de sementes até a mesa do consumidor, incluindo serviços e tecnologias digitais. “Estamos crescendo e planejamos dobrar esse negócio em 2025”, disse Torretta.

 

 

O líder da empresa no Brasil destacou que a companhia tem feito um investimento pesado na gestão de riscos ambientais, sociais e governança (ESG). “Estamos focados na otimização de produtos e biossoluções e nossa abordagem de campo tem se concentrado na implementação de boas práticas, rastreabilidade e certificação de alimentos. Portanto, está muito além da simples transação comercial”, declarou, durante o evento.

 

 

O fórum também contou com a presença da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, que enfatizou o objetivo de aumentar a cooperação entre as nações. “O Brasil quer se firmar como um parceiro estratégico confiável e de longo prazo, contribuindo para o desenvolvimento rural indiano. Nosso objetivo não é simplesmente competir, mas sim colaborar.”