Espaço de negócios:

O Santander inaugura na próxima quarta-feira, 22, sua segunda loja totalmente voltada ao agronegócio no País. A partir desta data, o produtor rural da região de Naviraí, sudoeste do Estado de Mato Grosso do Sul, receberá atendimento exclusivo e especializado. O espaço de negócios fica na Rua Alagoas, 252, Centro. A inauguração será às 9h, com a presença do prefeito da cidade e de outras autoridades locais políticas e do agronegócio.
 
A estrutura de atendimento, em horários pré-agendados das 9h às 18h, será composta por um gerente geral, dois gerentes comerciais e um gerente de atendimento, sem a presença de caixas. O atendimento não relacionado ao agronegócio continuará a ser feito na agência mais próxima da loja – no caso dos clientes de Naviraí, será a do município de Dourados (Rua João Cândido da Câmara, Centro).
 
Para Carlos Aguiar, superintendente executivo de Agronegócios do Santander, os espaços de negócios são uma forma do Banco chegar em localidades onde ainda não está presente com agências. Ainda no primeiro trimestre, o Santander prevê a abertura de oito lojas voltadas ao agronegócio. O de Naviraí (MS) é a segunda inauguração: no final de janeiro, um espaço foi aberto ao público em Cristalina (GO). Ainda estão previstas inaugurações nas cidades de Posse (GO), Campo Novo do Parecis (MT), Canarana (MT), Paragominas (PA), Balsas (MA) e Primavera do Leste (MT). Essas unidades se somam às 300 agências vocacionadas ao setor distribuídas por todo o País.
 
O plano de expansão do Banco segue a visão otimista para o setor: projeções do Departamento Econômico do Santander apontam elevação de 0,7% da economia do País neste ano, enquanto o PIB do Agronegócio deve ter aumento de 2%. “O agronegócio exige soluções financeiras que não se limitam ao crédito rural subsidiado, e esse atendimento exclusivo permite apresentar os produtos e serviços mais adequados ao perfil de cada produtor rural”, ressalta o executivo.
 
Em 2016, o total da carteira de crédito ao setor do Santander somou quase R$ 40 bilhões, sendo R$ 9 bilhões de linhas de repasse e o restante de recursos livres. Também no ano passado, o Banco contratou mais de 40 agrônomos para atuar nas fronteiras agrícolas.