Economia:

Considerado o alicerce da economia brasileira, o setor rural vai receber um aporte para o financiamento da agricultura. Nesta terça-feira (11/7), o Banco do Brasil anunciou que vai destinar R$ 103 bilhões de recursos para o Plano Safra 2017/2018. O anúncio foi feito em cerimônia no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, e o Banco é dos agentes financiadores do Plano Safra.
A maior parte dos recursos, R$ 91,5 bilhões, será para o crédito rural aos produtores e cooperativas. Do montante, R$ 72,1 bilhões serão direcionados para operações de custeio e comercialização e R$ 19,4 bilhões para créditos de investimento agropecuário. Já os R$ 11,5 bilhões restantes serão destinados às empresas da cadeia do agronegócio.
Durante o evento, o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, afirmou que o valor que o banco destinou para a próxima safra é 30% maior do que o da safra 2016/2017, quando o Banco do Brasil liberou R$ 72 bilhões para o financiamento da produção agrícola, e que a linha de financiamento do Banco do Brasil já está disponível para os agricultores desde o dia 3 de julho.
“O recurso que financiará a produção agrícola terá uma redução de 1 ponto percentual nas taxas de juros das linhas de custeio, investimentos e comercialização da agricultura empresarial”, destacouo Caffarelli.
O Banco do Brasil também destinará parte dos recursos para o financiamento da agricultura familiar. R$ 14,6 bilhões serão destinados ao programa com taxa de juros que variam de 2,5% a 5,5% ao ano.
Foto: Banco do Brasil/ Divulgação
Safra recorde
O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, comemorou os resultados agrícolas e se mostrou otimista sobre a quebra de recordes. “Hoje a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou a previsão de que produção de grãos para a safra 2016/17 pode chegar a 237,2 milhões de toneladas, com aumento de 27,1% ou 50,6 milhões de toneladas frente a safra passada (186,6 milhões de toneladas)”. Os números são da 10ª estimativa da atual safra.
“Cada vez mais os números crescem”, afirmou o ministro. Seguindo estimativas, ele acredita que a safra poderá chegar a 240 milhões de toneladas. “Esse é o tamanho da safra que o Brasil terá. São 113 milhões de toneladas de soja, 97 milhões de toneladas de milho e muito provavelmente a gente consiga chegar a 100 milhões de toneladas de milho. Recorde na agricultura brasileira. Uma safra se faz com planejamento. Sabemos que se não houver planejamento nas compras dos insumos, financiamento na hora certa, não adianta São Pedro colaborar que não vamos ter condições de fazer”, disse.
Segundo Maggi, o Brasil deve fortalecer as exportações e ampliar nas relações diplomáticas. “Entre o céu e a terra há tantas coisas. O principal negócio de um país é fazer negócio fora do país. É aí que vamos crescer. O mercado não se faz dando beijinhos e dando abraços. O mercado se conquista na cotovelada e na butina. É assim que tem que ser feito”.
Financiamento
Os programas de financiamento estão disponíveis no site do Banco do Brasil:
http://www.bb.com.br/pbb/pagina-inicial/agronegocios#/
Agência: Direto de Brasilia.
Por Hulda Rode