De 2015 a 2019: Sistema Famasul divulga relatório sobre o avanço da agropecuária em MS.

Em cinco anos, perfil produtivo do estado foi substancialmente transformado. No período, o VBP do agro teve crescimento de 69%.

 

 

Entre 2015 e 2019, a agropecuária de Mato Grosso do Sul passou por grandes transformações em seu perfil produtivo e econômico. No período, o VBP (Valor Bruto da Produção) do setor teve um crescimento de 69%, passando de R$ 25 bilhões para R$ 35,9 bilhões. Esse e outros avanços do agro no estado fazem parte do Relatório de Gestão 2015/2019, que o Sistema Famasul acaba de lançar.

 

 

As cadeias produtivas que apresentaram os crescimentos mais significativos no VBP foram agricultura, com aumento de 56,1%, e a pecuária, com 22,1%.

 

 

Em cinco anos, MS obteve importante projeção no ranking nacional de produção e exportação. Chegou em 2019 como 2º colocado em produção e o 5º em exportação de carne bovina; 5º produtor e 7º exportador de soja; 4º produtor e 4º exportador de milho; e o 2º produtor e 2º exportador de produtos florestais.

 

 

Também chama a atenção os dados referentes à balança comercial. Em cinco anos, o agro manteve saldo superior aos demais setores. Em 2015, atingiu R$ 4,4 bilhões, passando para R$ 4,9 bilhões em 2019.

 

 

As principais exportações se concentraram em produtos florestais que, de U$ 1 bilhão, passaram para U$ 1,9 bilhão. Para se ter ideia da transformação do perfil produtivo do estado, o crescimento das exportações das carnes foi de 16,1%, enquanto o de produtos florestais foi de 84,8%.

 

 

De acordo com o relatório, o principal destino das exportações nesse período foi a China (43,6%), seguido do Japão (4,8%), Estados Unidos (4,3%), Itália (4,1%) e Países Baixos (3,6%).

 

 

A produção de cana-de-açúcar teve crescimento de 14,3% de produtividade e de 13,1% de produção. Já a área plantada do complexo florestal chegou a 2019 com 1,1 milhão de hectares, exportando principalmente para a China (2,5 milhões de toneladas), Estados Unidos (391,7 mil toneladas) e Itália (359,2 mil toneladas).

 

 

“A evolução dos números do agro em MS nos últimos 5 anos evidenciam dois pontos: a transformação no uso e ocupação do solo via tecnologia aplicada, produzindo mais na mesma área, e a profissionalização do setor, fechando o ciclo produtivo com a agroindústria, para atender os mercados interno e global cada vez mais exigentes”, analisa o gerente técnico do Sistema Famasul, José Pádua.

 

 

Clique AQUI e confira na íntegra o Relatório de Gestão 2015/2019.

 

 

Mercado Agropecuário – O Sistema Famasul divulga todas as segundas-feiras uma matéria sobre as principais cadeias produtivas de Mato Grosso do Sul. Acompanhe!

 

 

Leandro Abreu- Famasul