Clima prejudicou potencial produtivo do milho na Região Sul.

No Rio Grande do Sul, a falta de chuvas comprometeu o desempenho do milho. No 7º levantamento da safra feita pela Conab, o retrato das lavouras mostra que a semeadura do milho segunda safra praticamente já finalizou.

Milho

A estimativa de área de milho primeira safra, na temporada 2019/20, é de 4,22 milhões de hectares, 2,8% maior que a área cultivada na safra 2018/19, influenciada pelas boas cotações do cereal. Problemas climáticos na Região Sul, sobretudo no Rio Grande do Sul, prejudicaram o potencial produtivo das lavouras, o que deverá resultar em um rendimento médio no país de 4,2% menor que na última safra. A colheita no país atingiu 44% na semana do levantamento.

 

 

2ª safra de milho

 

 

A segunda safra de milho tem a semeadura acontecendo de acordo com o avanço da colheita da soja. Mato Grosso, principal estado produtor, finalizou o plantio do milho, juntamente com Goiás, Tocantins e Maranhão. Paraná, Mato Grosso do Sul e Piauí têm mais de 90% da área semeada.

 

 

O atraso no plantio da soja, por conta da falta ou desuniformidade das chuvas em outubro passado, reduziu a janela de plantio favorável ao milho segunda safra, fato que ajuda explicar a estimativa de redução de área em Mato Grosso do Sul e Paraná.

 

 

A despeito dessa menor janela, em Mato Grosso do Sul, estima-se que aproximadamente 25% da área será semeada fora do zoneamento de risco climático.

 

 

Milho 3ª safra

 

 

Para o milho de terceira safra, a produção estimada é de 1,16 milhão de toneladas. Esse milho, que tem sua oferta, principalmente, na região da Sealba (Sergipe, Alagoas e nordeste da Bahia), além de Pernambuco e Roraima, é produzido num calendário de plantio parecido com o do Hemisfério Norte, concentrando-se no período entre maio e junho.

Dessa forma, a estimativa nacional de produção de milho, considerando a primeira, segunda e terceira safras, na temporada 2019/20, deverá apresentar um volume semelhante ao da safra 2018/19, e resultar numa produção de 101,9 milhões de toneladas.

 

 

Foto divulgação: Bioagencia