Cana-de-açúcar:

Nos próximos dias 27 e 28 de setembro o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) participa do 11º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-açúcar, realizado pelo Grupo IDEA no Centro de Convenções, em Ribeirão Preto (SP).
O CTC participará de três apresentações. A primeira delas terá como tema “Novas variedades CTC” e será ministrada por Ronaldo Onosaki, gerente de Marketing da empresa, que abordará a primeira variedade geneticamente modificada, a CTC20BT, aprovada pela CTNBio em junho deste ano e que tem como característica a resistência à broca da cana (Diatraea saccharalis), principal praga que ameaça a cultura.  Onosaki lembra que, de acordo com levantamento realizado por especialistas, o prejuízo causado pela broca chega a R$ 5 bilhões anuais, devido a perdas de produtividade agrícola e industrial, qualidade do açúcar, custos com produtos agroquímicos e mão de obra. “O gene Bt (Bacillus thuringiensis) é amplamente utilizado na agricultura há mais de 20 anos, nos principais países produtores do mundo, incluindo o Brasil, em culturas como soja, milho, algodão, entre outras”.
Na sequência, Mauro Violante, gerente de Desenvolvimento de Produto do CTC, participará do segunda apresentação abordando o experimento de dois clones promissores do CTC, que deverão ser os próximos lançamentos comerciais de variedade convencional. Os clones promissores abrangem as regiões de Goiás, Minas Gerais, São José do Rio Preto e Araçatuba.
E na última apresentação, Natalia Calori, analista de Marketing do CTC, abordará a “Produtividade da cana-de-açúcar: uma estória mal contada”. Calori trará um comparativo entre as curvas de produtividade históricas dos principais cultivos mundiais produtores de açúcar e etanol. Tal comparativo será explorado a partir de uma abordagem quantitativa, na qual são estimados os impactos dos principais fatores de produção (variedade, ambiente e manejo) na produtividade. 
Sobre o Centro de Tecnologia Canavieira 
O CTC – Centro de Tecnologia Canavieira (Bovespa Mais: CTCA3) é uma empresa 100% nacional com foco em pesquisa, desenvolvimento e comercialização de variedades de cana-de-açúcar e outras tecnologias disruptivas. Tem como acionistas o BNDESPar e os principais grupos do setor sucroenergetico, representando mais de 60% da produção de açúcar e etanol do Brasil.