Biocombustíveis:

Considerando as oportunidades criadas pelos compromissos assumidos no Acordo de Paris e pela nova regulação proposta pelo RenovaBio e as suas implicações na produção de biocombustíveis no Brasil, o Centro de Estudos de Energia da Fundação Getulio Vargas (FGV Energia) lança, às 14h do dia 15 de setembro, o Caderno de Biocombustíveis. A publicação analisa o panorama dos biocombustíveis no Brasil, assim como as principais questões do setor, de forma a fornecer informações para desenvolver uma visão clara, colaborando com a identificação de ações que maximizem o potencial nacional.
 
O trabalho foi estruturado sob os seguintes blocos de análise: a proposta do RenovaBio; etanol e biodiesel; os novos biocombustíveis; panorama do setor, principais entraves e perspectivas de retomada dos investimentos. Para tal a FGV Energia conversou com mais de 50 agentes do setor (representantes do governo, associações empresariais, empresas, consultorias, academia e outros), dos quais a maioria considera que as metas assumidas são factíveis e que o programa RenovaBio contribuirá para a retomada dos investimentos.
 
Serviço:Lançamento do Caderno de BiocombustíveisData: 15 de setembroHorário: 14hLocal: Auditório do 12º andar da sede da FGV (Praia de Botafogo, 190)Inscrições: http://www.fgv.br/eventos/?p_evento=3422&p_idioma=0
 
Programação:
 
14h – Abertura Carlos Quintella – diretor executivo da FGV Energia
 
14h30 – Apresentação do trabalho Tamar Roitman – pesquisadora FGV EnergiaMilas Evangelista – pesquisador FGV Energia
 
15h – Café e networking
 
15h30 – PainelRoberto Rodrigues – abertura do painel e moderador – Miguel Ivan Lacerda – MME (Ministério de Minas e Energia) – Perspectivas para os biocombustíveis com o RenovaBio– Elisabeth Farina – ÚNICA – Perspectivas para o setor sucroenergético– Donizete Tokarsky – UBRABIO – Perspectivas do Setor de Biodiesel Brasileiro– Luis Henrique – RAÍZEN – Perspectivas da Raízen para o setor sucroenergético– Gonçalo Pereira – CBTE – Visão sobre novos biocombustíveis (Biogás, Biometano e E2G) 
 
17h – Debate com o público