O fortalecimento da agricultura familiar foi debatido na Esalq.

A diretoria da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) e o Plano Diretor Socioambiental do campus “Luiz de Queiroz” realizaram, na tarde de 5 de junho, a mesa redonda com o tema “O fortalecimento da agricultura familiar em Piracicaba”.

O evento integrou a programação do Projeto Temático “Brasil, esperança alimentar do futuro!”, faz parte da Semana do Meio Ambiente do campus e envolveu a comunidade acadêmica e representantes do poder legislativo de Piracicaba, além de profissionais do setor.

Um dos participantes foi Ademir de Lucas, técnico especializado no departamento de Economia, Administração e Sociologia da Esalq, que atua com agricultura familiar e falou do papel da Esalq na formação de profissionais preparados para essa área. “Existem muitos agricultores familiares em Piracicaba, apesar da forte presença da cana-de-açúcar. Temos feito um trabalho junto com associações e produtores que favorece a formação dos estudantes não só inseridos em um cenário de agronegócio, mas que estejam preparados para atender o pequeno produtor”

A presidente da Comissão de Graduação da Esalq, professora Thais Vieira, comentou sobre as contribuições que a instituição pode oferecer ao setor. “Não somente em Piracicaba, mas no Estado de São Paulo, podemos contribuir entendendo um pouco mais sobre o cenário e as demandas atuais, tentando trazer esse chamado para o ensino de graduação, não somente por meio das disciplinas formais, mas também inserir essa temática as atividades acadêmicas complementares e estágios com um olhar um pouco mais atento sobre esse setor tão importante”. Segundo a docente, a formação dos futuros profissionais deve contemplar esse tema. “Se pensarmos na agenda de desenvolvimento sustentável da ONU para 2030, não tem como não considerar a agricultura familiar, que será essencial para que parte desses objetivos sejam atendidos. Então os alunos que estão se formando tem que estar preparados e ter conhecimento sobre esse setor também”.

Os trabalhos da mesa foram conduzidos pela vereadora Nancy Thame, que apresentou um panorama do contexto rural em Piracicaba e abordou desafios e oportunidades para o pequeno produtor. “Temos um grande número de propriedades pequenas e médias, grande parte dessas propriedades contemplando uma área que se adequa aos critérios da agricultura familiar, mas ao mesmo tempo um número muito pequeno dos proprietários que moram em suas terras”.

Para a vereadora, a demanda crescente por alimentos depende da agricultura familiar. “Temos programas que favorecem esse setor, além de instituições que podem facilmente absorver essa produção. Nesse aspecto a Esalq pode nos oferecer tecnologias e outras ferramentas de gestão pública que facilitarão a otimização desse processo. Além disso, a formação de cooperativas certamente é uma via positiva para o produtor”.

O diretor da Esalq, Durval Dourado Neto, lembrou que a agroecologia é uma temática crescente no ambiente universitário e fundamental para a formação de profissionais capacitados. “Eventos como este fomentam a consciência socioambiental e moldam o perfil cidadão dos nossos alunos. Nossa realidade exige dos futuros profissionais conhecimento técnico e prático, para que possamos atender a sociedade de forma plena.